Foram centenas de pessoas que assistiram ao espectáculo Solum do Teatro do Mar, um espectáculo visual, que colocava em causa o rumo da evolução humana. A estrutura cénica de 9 metros que foi plantada na praça do giraldo nos últimos dias chamou a atenção dos Eborenses e turistas que vieram matar a curiosidade numa noite de sexta-feira quente. O espectáculo que cruzava teatro físico com musica, dança, video e uma banda sonora original, questionava-se sobre as transformações do ser humano, das suas raízes culturais e afectivas face ao progresso e globalização, usando a cor e o movimento de forma magistral que captou a atenção do público e recolheu aplausos e palavras de parabéns. Do Real ao artificial, da partilha ao isolamento, o espectáculo foi levando o espectador a subir a árvore, que acaba por se mostrar como a árvore da vida, questionando atitudes e necessidades do ser humano. O espectáculo é encenado por Julieta Aurora Santos e interpretado de forma divinal por Carlos Campos, Luís João Mosteias, Patrícia Andrade e Sérgio Vieira, e durante uma hora e meia transporta-nos para uma reflexão sobre a condição humana.

O Festival continua durante o sábado, o grupo teatro Joana chega pelas 19h na praça do giraldo com o espectáculo Debaixo da Mesa, invadindo o mundo de Paulo Rego, figuras até então apenas vistas em tela, saem agora para um mundo real. À noite é a vez do Teatro do Rio com o espectáculo Desamores, espectáculo a partir do texto “Preconceito vencido” de Marivaux, que terá lugar na SOIR – Joaquim António D’aguiar às 22h.